CARACTERIZAÇÃO ANTROPOMÉTRICA E LABORATORIAL DE HIPERTENSOS COM POSSIBILIDADE DE SER PORTADOR DA DOENÇA DE CHAGAS

Francine Zancanelo da Silva, Isis Fernandes Magalhães-Santos

Resumo


A hipertensão arterial (HA) é um dos principais agravos à saúde no Brasil. Sua associação com distúrbios metabólicos é exacerbada pela sobreposição de fatores de risco cardiovasculares. Estudos demonstraram que a doença de Chagas (DC) crônica pode ser um fator de risco para HA e a peridomicialização de barbeiros na cidade de Salvador demonstram espécies infectadas pelo Trypanosoma cruzi. Para tanto o objetivo do trabalho foi descrever o perfil clinico-laboratorial de hipertensos com risco de ser portador da doença de Chagas.Participaram 21 indivíduos de ambos sexos, com idade entre 52 e 77 anos.Os voluntários foramavaliados quanto às medidas antropométricas, pressão arterial e sorologia paradosagem de PCR, Troponina I, Fator Reumatóide, RPR, ASLO e diagnóstico para doença de Chagas (DC). Os resultados mostraram que os níveis antropométricos foram relevantes e estavam principalmente nas mulheres. Os níveis séricos de PCR foram associados com índice de massa corporale pressão arterial. A doença de Chagas não teve associação com a PCR e PA. Pôde-se observar que a PCR teve uma relação direta com a obesidade e hipertensão. A DC não teve relação com fatores de risco coronarianos, porém ser morador de área endêmica é um risco de ação direta.

Palavras-chave


Doença de Chagas. Hipertensão. Área endêmica

Texto completo:

218-223

Referências


BEN-NOUN. L.; SOHAR, E.; LAOR, A. Neckcircumference as a simplescreeningmeasure for identifyingoverweightandobesepatients. Obes. Res. 9(8):470-7, 2001.

DIAS-LIMA, A.G.; SHERLOCK, I.A. Sylvatic Vectors Invading Houses and the Risk of Emergence of Cases of Chagas Disease in Salvador, State of Bahia, Northeast Brazil. MemInst Oswaldo Cruz, 95(5): 611-613, 2000.

DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO: VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Rev. Bras. Hipertensão, 7(1): 1-63, 2010.

GURGEL, C.B.F.M.; ALMEIDA, E.A. Frequency of Hypertension in Patients with Chronic Chagas Disease and its Consequences on the Heart: A Clinical and Pathological Study. Arq Bras Cardiol, 89(3): 174-182, 2007.

LÓPEZ, L.; ARAI, K.; GIMÉNEZ, E.; JIMÉNEZ, M.; PASCUZO, C.; RODRÍGUEZ-BONFANTE, C.; BONFANTE-CABARCAS, R. C-reactiveproteinand interleukin-6 serumlevelsincrease as Chagas diseaseprogressestowardscardiacfailure.Rev. Esp. Cardiol. 59(1): 50-6, 2006.

MURRAY, C.J.L; LOPEZ, A.D. The global burden of disease: a comprehensive assessment of mortality and disability from disease, injuries and risk factors in 1990 and projected to 2020. USA. Harvard Schoolof Health, 1996.

RAMOS, A.M; PELLANDA, L.C; GUS, I; PORTAL, V.L. Inflammatory Markers of Cardiovascular Disease in the Elderly. Arq. Bras. Cardiol. 92(3): 221-8, 2009.

REZENDE, F.A.C.; ROSADO, L.E.F.P.L.; RIBEIRO, R.C.L.; VIDIGAL, F.C VASQUES, A.C.J.; BONARD, I.S.; CARVALHO, C.R. Índice de Massa Corporal e Circunferência Abdominal: Associação com Fatores de risco Cardiovascular. ArqBrasCardiol. 87(6) : 728-734, 2006.

SANTOS, M.G; PEGORARO, M; SANDRINI, F; MACUCO, E.C. Fatores de Risco no Desenvolvimento da Aterosclerose na Infância e Adolescência. Arquivos Brasileiros de cardiologia, Curitiba, 90(4): 301-8; 2008.

TACON, K.C.B.; SANTOS, H.C.O.; CUNHA, L.C.; CASTRO, E.C. Perfil da terapêutica utilizada em pacientes hipertensos atendidos em hospital público. RevBrasClin Med. São Paulo, 9(1):25-9, 2011.

TARTAROTTI, E.; AZEREDO-OLIVEIRA, M.T.V.; CERON, C.R. Problemática vetorial da Doença de Chagas. Arq. Ciênc. Saúde 11(1):44-7, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.