AFASTAMENTO DE TRABALHO POR DOENÇAS LABORAIS RELACIONADAS AO ESTRESSE EMOCIONAL

Maria Eliza Faria, Astria Dias Ferrão Gonzales

Resumo


O estresse está presente na vida de todos os indivíduos, seja em níveis baixos ou patológicos. A maioria dos estudos utilizados nessa revisão mostrou que uma carga horária de trabalho excessiva, baixos salários e grandes pressões no trabalho foram as dimensões mais associada ao estresse emocional nos profissionais, dentre outras dimensões como falta de apoio da equipe de trabalho. Quando crônico, o estresse comumente gera sentimentos de despersonalização, exaustão emocional e baixa realização profissional/pessoal, condições predisponentes para o desenvolvimento de Sindrome de Burnout e ansiedade. Essas condições, por sua vez, podem desencadear patologias como problemas respiratórios, alergias, doenças músculo-esqueléticas e até mesmo depressão.

Palavras-chave


Estresse emocional. Saúde do Trabalhador

Texto completo:

146-160

Referências


BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005.

BRASIl, Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social. Diretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial em Transtornos Mentais, Brasília, dezembro de 2010. Disponível em http://formsus.datasus.gov.br/novoimgarq/21112/3386468_109700.pdf, acessado em janeiro de 2016.

BYRNS, G; AGNEW, J; CURBOW, B. Attributions, Stress, and Work-Related Low Back Pain. Applied Occupational and Environmental Hygiene Volume 17(11): 752–764, 2002.

CHEN, H.C ; CHU, C.I ; WANG, Y.H ; LIN, L.C. Turnover factors revisited: A longitudinal study of Taiwan-based staff nurses. Int J Nurs Stud. 2008 Feb;45(2):277-85.

GODIN, I; KITTEL, F. Differential economic stability and psychosocial stress at work:associations with psychosomatic complaints and absenteeism. SocSci Med. 2004 Apr;58(8):1543-53.

GOMES, L; BRITO, J. Desafios e possibilidades ao trabalho docente e à sua relação com a saúde. ESTUDOS E PESQUISAS EM PSICOLGIA, UERJ, RJ, ANO 6, N.1, 1º SEMESTRE DE 2006

HEUVEL, S. G; BEEK, A.J; BLATTER, B.M; WILHELMINA, E.H; BONGERS, P.M. Psychosocial work characteristics in relation to neck and upper limb symptoms. Pain 114 (2005) 47–53.

JUNIOR, O.G. Sofrimento psíquico e trabalho intelectual. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2010, vol. 13, n. 1, pp. 133- 148.

KENDALL, E; MUENCHBERGER, H. Stressors and supports across work and nonwork domains: The impact on mental health and the workplace. Work 32 (2009) 27–37.

KNEZEVIC, B; MILOSEVIC, M; GOLUBIC, R; BELOSEVIC, L; RUSSO, A; MUSTAJBEGOVIC, J. Work-related stress and work ability among Croatian university hospital midwives. Midwifery. 2011 Apr;27(2):146-53.

MAGALHÃES, E; OLIVEIRA, A.C.M.S; GOVÊIA, C.S; LADEIRA, L.C.A; QUEIROZ, D.M; VIEIRA, C.V. Prevalência de síndrome de burnout entre os anestesiologistas do DistritoFederal. RevBrasAnestesiol. 2015;65(2):104-110

MARTINS, J.T; ROBAZZI, M.L.C.C. O trabalho do enfermeiro em unidade de terapiaintensiva: sentimentos de sofrimento. Rev. bras. enferm. [online]. 2003, vol.56, n.5, pp.555-557. ISSN 0034-7167.

MATTOS, C.B.M; SCHLINDWEIN, V.L.D.C “Excelência e produtividade”: novos imperativos de gestão no serviço público. Psicol. Soc.[online]. 2015, vol.27, n.2, pp.322-331. ISSN 0102-7182.

MCCARTHY, V. J. C; POWER, S; GREINER B. A. Perceived occupational stress in nurses working in Ireland. Occupational Medicine 2010;60:604–610.

MOMPO, G.L; VILAS, L.A; SOTOLONGO, P.C; CARRILLO, P.C; CARRILLO, C.C; GUTIÉRREZ, E.G. Influencia del estres ocupacional enelprocesosalud-enfermedad. Rev. Cub Med Mil v.8 n.2 Ciudad de la Habana abr.-jun. 2003

MUTKINS, E; BROWN, R.F; THORSTEINSSON, E.B. Stress, depression, workplace and social supports and burnout in intellectual disability support staff. JournalofIntellectualDisabilityResearch, volume 55 part 5 pp 500–510 may 2011.

RIBEIRO, R.P; MARTINS, J.T; MARZIALE, M.H.P; ROBAZZI, M.L.C.C. O adoecer pelo trabalho na enfermagem: uma revisão integrativa; RevEscEnferm USP 2012; 46(2):495-504.

SALIBA, N.A; MOIMAZ, S.A.S; PRADO, R.L; ROVIDA, T.A.S; GARBIN, C.A.S. Saúde do Trabalhador na Odontologia: o Cirurgião-dentista em Foco. Pesq Bras OdontopedClinIntegr, João Pessoa, 13(2):147-54, abr./jun., 2013.

SCHLEIFER, L.M ; LEY, R ; SPALDING, T.W. A Hyperventilation Theory of Job Stress and Musculoskeletal Disorders. AMERICAN JOURNAL OF INDUSTRIAL MEDICINE 41:420–432 (2002).

SILVA, S. C. P. S; NUNES, M. A. P; SANTANA, V. R; REIS, F. P; NETO, J. M; LIMA, S.O. A síndrome de burnout em profissionais da Rede de Atenção Primária à Saúde de Aracaju, Brasil; Ciênc. saúde coletiva [online]. 2015, vol.20, n.10, pp.3011-3020. ISSN 1413-8123.

SIMON, C.E ; PRYCE, J.G ; ROFF L.L ; KLEMMACK, D. Secondary Traumatic Stress and Oncology Social Work. Journal of Psychosocial Oncology, Vol. 23(4) 2005.

SUZUMURA, M; FUSHIKI, Y; KOBAYASHI, K; OURA, A; SUZUMURA, S; YAMASHITA, M; MORI, M. A cross-sectional study on association of work environment, coping style, and other risk factors with depression among caregivers in group homes in japan. Industrial Health Vol. 51 (2013) No. 4 p. 417-423.

TARIS, T.W; YBEMA, J.F; BECKERS, D.G.J; VERHEIJDEN, M.W; GEURTS, S.A.E; KOMPIER, M.A.J. Investigating the Associations among Overtime Work, Health Behaviors, and Health: A Longitudinal Study among Full-time Employees. Int J Behav Med. 2011 Dec; 18(4): 352–360.

VIANEY, E.L; BRASILEIRO, M.E. Saúde do trabalhador: condições de trabalho do pessoal de enfemragem em hospital psiquiátrico. Rev. bras. enferm. [online]. 2003, vol.56, n.5, pp.555-557. ISSN 0034-7167.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.