PROTOCOLO DE ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO PARA PACIENTES CARDIOPATAS

Helton dos Santos Cerqueira, Queiciane Alves Pires Carneiro, Daniele Coelho Dourado

Resumo


As cardiopatas vêm sendo apresentadas como condições clínicas que podem levar o paciente a complicações graves durante o atendimento odontológico e cabe ao cirurgião-dentista o conhecimento pleno do seu paciente, com determinação precisa da cardiopatia do mesmo para que o atendimento odontológico transcorra sem maiores intervenções. O objetivo do presente estudo foi revisar a literatura acerca do tema, realizar uma busca ativa nos prontuários dos pacientes atendidos no ambulatório da Faculdade de Tecnologia e Ciências- Campus Salvador- no período de agosto de 2015 a fevereiro de 2016, selecionando pacientes portadores de cardiopatias com o intuito da elaboração de um guia prático de atendimento odontológico. A metodologia consistiu da busca ativa dos prontuários de pacientes cardiopatas de 9 disciplinas odontológicas da Faculdade de Odontologia da FTC no período de 2005 a 2015. Os resultados mostraram que as cardiopatias mais frequentes encontradas na Clínica Escola da FTC entre os gêneros masculino e femininoforam: Arritmia eInfarto agudo do miocárdio e não foram encontrados registros de portadores de ICC, EI e angina do peito, evidenciando que essas são as patologias mais prevalentes no atendimento a um paciente cardiopata. Foi elaborado, posteriormente, um protocolo de atendimento aos portadores de cardiopatias no consultório odontológico.

Palavras-chave


Cardiopatas. Protocolo. Odontológico.

Texto completo:

127-132

Referências


ARIETA, K. Manejo del paciente cardiológico previo a procedimentos odontologicos. Cardiomil, Hospital Central de las FFAA, Montevidéu, 2013.

BARROS, M. N. F.; GAUJAC, C.; TRENTO, C.; ANDRADE, M. C. V. Tratamento de pacientes cardiopatas na clínica odontológica. Rev. Saúde e Pesquisa, v.4, n.1, p.109-114, 2011.

BARROSO, M. G.; CORTELA D.C. B.; MOTA, W.P. Endocardite bacteriana: da boca ao coração. Revista Ciência e Estudos Acadêmicos de Medicina -. Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT (Cáceres), ago.-dez. 2:47-57, 2014.

BRANCO, F. P., VOLPATO, M.C., ANDRADE, E. D. Profilaxia da endocardite bacteriana na clínica odontológica - o que mudou nos últimos anos? Rev. Periodontia – 17(3), set.2007.

CALDAS, C. S. et al. Clinical evaluation of different epinephrine concentrations for local dental anesthesia. Rev Dor. São Paulo; 16(1):1-5, jan./mar. 2015.

CAPUTO, I. G. C. et al. Vidas em Risco: Emergências Médicas em consultório Odontológico. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., Camaragibe v.10, n.3, p. 51-58, jul. /set. 2010.

CARNEIRO NETO, J, N. Emergências Odontológicas em Dor no Peito. Rev. Bras. Cien. Saúde 20(1):79-84, 2016.

CAVEZZIJUNIOR, O. Endocardite infecciosa e profilaxia antibiótica: um assunto que permanece controverso para a Odontologia. Rev Sul-Bras Odontol. Jul-Sep;7(3):372-6, 2010.

CONRADO, V. C. L. S. et al. Efeitos Cardiovasculares da Anestesia Local com Vasoconstritor durante Exodontia em Coronariopatas Cardiovascular. Arq Bras Cardiol; 88(5) : 507- 513, 2007.

DIAS, I. A.; FERREIRA, L. N. Avaliação funcional de pacientes com insuficiência cardíaca congestiva através de escalas padronizadas. Rev.Saúde.Com; 7(2): 116-126, 2011.

ESTEVES, J.C. et al. Assistência cirúrgico-odontológica a pacientes com história de infarto do miocárdio. Rev. Gaúcha Odontol., v.59, n.2, p.285-291, Porto Alegre, abr./jun., 2011.

LISBOA, A. H.; KINDL, C.; PILATTI, G. L. Nível de ansiedade em pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos odontológicos. Full Dent. Sci.; 3(12):400-407, 2012.

LÚCIO, P. S. C., BARRETO, R. C. Emergências Médicas no Consultório Odontológico e a (In) Segurança dos Profissionais. Rev.Bras. Ci. Saúde 16(2):267-272, 2012.

OLIVEIRA, P. C. et al. Avaliação do nível de ansiedade e dor de pacientes em urgências endodônticas e sua influência sobre parâmetros cardiovasculares. Cienc Odontol Bras. 10 (4): 70-75, out. /dez., 2007.

PESARO, A. E. P., SERRANO JUNIOR, C. V., NICOLAU, J. C. Infarto agudo do miocárdio - síndrome coronariana aguda com supradesnível do segmento. Rev Assoc Med Bras; 50(2): 214-20, 2004.

POLIDORO, K. P. et al. Prevalência de distúrbios hemorrágicos em pacientes atendidos na disciplina Clínica Integral II do Curso de Odontologia da ULBRA – Canoas, RS. Rev. Ciênc, Méd. Biol., v.13, n.1, p.49-54, Salvador, jan./abr. 2014.

POSSOBON, R. F. et al. O tratamento odontológico como gerador de ansiedade. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 12, n. 3, p. 609-616, set. /dez. 2007.

RESENDE, R. G. et al. Complicações sistêmicas no consultório odontológico: parte I. Arquivos em Odontologia, v. 45, n.01, jan/mar, 2009.

ROCHA, L. M. A. et al. Conhecimentos e Condutas para Prevenção da Endocardite Infecciosa entre Cirurgiões-Dentistas e Acadêmicos de Odontologia. Robrac.;17(44):146-153,2008.

RORIZ, Virgílio M.; BARBOSA, Ralfh A. Possibilidades de inter-relação entre as doenças periodontais e as Cardiovasculares. Rev Odontol Bras Central ;20(55), 2011.

SALGADO, A. A.; LAMAS, C. C.; BÓIA, M. N. Endocardite infecciosa: o que mudou na última década? Revista HUPE, Rio de Janeiro;12(Supl 1):100-109, 2013.

SCANAVACCA, M. Novas Perspectivas do Tratamento das Arritmias Cardíacas e sua Aplicação no Brasil. Arq Bras Cardiol;99(6):1071-1074, 2012.

TEIXEIRA, C. S.; JÚNIOR, B. P.; SOUZA, Y. T. C. S.; PEREZ, D. E. C. Tratamento odontológico

em pacientes com comprometimento cardiovascular. Rev.Sul-Brasileira de Odontologia, v.5, n.1, p.68-76, 2008.

VIOLA, N. V.; OLIVEIRA, A. C. M. Marketing em Odontologia: uma ferramenta que faz a diferença. Rev. bras. Oontol., Rio de Janeiro, v. 68, n. 2, p. 248-51, jul./dez. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.