AVALIAÇÃO DA DESCONTAMINAÇÃO METILENO DE CANETAS DE ALTA ROTAÇÃO PELO LASER DIODO DE BAIXA INTENSIDADE E O FOTOSSENSIBILIZADOR AZUL DE METILENO

Cristiane Vilas Boas Pedreira Leite, Simone Pereira Barreto Santos Silva, Leila Brito de Queiroz Ribeiro

Resumo


No ambiente odontológico as canetas rotatórias são responsáveis por grande parte do risco de contaminação para o paciente e dentista devido aos aerossóis liberados durante seu uso, seu design dificulta a completa desinfecção e a sensibilidade de alguns componentes da caneta à grandes temperaturas e soluções químicas reduzem a sua vida útil. O presente estudo teve como objetivo avaliar a ação descontaminante do laser diodo de baixa intensidade (660nm) associado ao fotossensibilizador azul de metileno em cepas de S. aureus (ATCC 25923), em canetas de alta rotação como uma forma de desinfecção alternativa. As canetas sofreram descontaminação através da utilização de diferentes antimicrobianos, indicados em variadas publicações como descontaminantes de produtos inanimados: o álcool 70%, o digluconato de clorexidina 2%, o corante azul de metileno em duas concentrações distintas e o laser diodo de baixa intensidade (l660 nm) isolado ou associado a esse corante utilizando-se uma técnica conhecida como terapia fotodinâmica (TFD). Na presente pesquisa, o uso do PDT com o fotossensibilizador azul de metileno mostrou-se efetivo como método de descontaminação em cepas de S.aureus (ATCC 25923), que são bactérias resistentes e presentes na microbiota oral.

Palavras-chave


Laser diodo de baixa intensidade. Desinfecção. Canetas Odontológicas. Staphylococcus aureus

Texto completo:

189-193

Referências


AMARAL et al. Terapia fotodinâmica na endodontia – revisão de literatura. RFO, Passo Fundo, v. 15, n.2, p. 207-211, maio/ago. 2010.

ANDRADE, A.; LIMA, C.; ALBUQUERQUE, A. Efeitos do laser terapêutico no processo de cicatrização das queimaduras: uma revisão bibliográfica. RevBras Queimaduras. 2010;9(1):21-30.

BAMBACE et al. Eficácia de soluções aquosas de clorexidina para desinfecção de superfícies. Rev. biociênc.,Taubaté, v.9, n.2, p.73-81, abr-jun 2003.

BARRETO et al. Contaminação do ambiente odontológico por aerossóis durante atendimento clínico com uso de ultrassom. Braz J Periodontol - June 2011 - volume 21 - issue 02.

CORDEIRO et al. Noções de biossegurança e ergonomia no trabalho: uma proposta de educação em saúde para manicures e pedicures de Diamantina, Minas Gerais. Revista de Extensão da Univasf. v. 1, n. 2, 2014.

CORRÊA, E.; CASTILHO, A.; PEREIRA, C. Indicadores químicos e biológicos da eficácia de esterilização por autoclave ou estufa. Rev. odonto ciênc. 2009;24(2):156-160.

DOUGHERTY et al. Photodynamic Therapy. Journal of the National Cancer Institute, Vol. 90, No. 12, June 17, 1998.

FREITAS, V.; SAND, S.; SIMONETTI, A. Formação in vitro de biofilme por Pseudomonasaeruginosa e Staphylococcus aureus na superfície de canetas odontológicas de alta rotação. RevOdontol UNESP, Araraquara. jul./ago., 2010; 39(4): 193-200.

KALIL, E.; COSTA, A. Desinfecção e Esterilização. ACTA ORTOP BRAS 2(4) - OUT/DEZ, 1994.

KRIEGER, D.; BUENO , R.; GABARDO , M ., C ., L . Perspectivas de biossegurança em odontologia. Revista Gestão & Saúde, Curitiba, v. 1 , n. 2, p1-10. 2010.

LINS et al. Efeitos bioestimulantes do laser de baixa potência no processo de reparo. AnBrasDermatol. 2010;85(6):849-55

LONGO, J.; DE AZEVEDO, R. Efeito da terapia fotodinâmica mediada pelo azul de metileno sobre bactérias cariogênicas. Rev. Clín. Pesq. Odontol., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 249-257, set./dez. 2010

MALACHOWA, N.; DELEO, F. R. Mobile genetic elements of Staphylococcus aureus. Cellularand molecular lifesciences, v. 67, n. 18, p. 3057-3071, 2010.

MARTINS et al. Presença de Staphyloccocus Aureus em diferentes superfícies do ambiente clínico odontológico. Revista Fasem Ciências Vol. 3, n. 1, jan.-jun./2013.

PEREIRA et al. Análise microbiológica de canetas odontológicas de alta rotação submetidas à descontaminação com álcool etílico a 70%. Robrac. 2008;17(44):124-132.

PERUSSI, J. Inativação fotodinâmica de microrganismos. Quim. Nova, Vol. 30, No. 4, 988-994, 2007.

PINTO et al. Protocolo de biossegurança no consultório odontológico: Custo e tempo. Rev. biociênc.,Taubaté, v.9, n.4, p.19-23, out-dez 2003.

PRADO, M.; SANTOS, S. Avaliação das condições de esterilização de materiais odontológicos em consultórios na cidade de Taubaté. Rev. biociênc.,Taubaté, v.8, n.1, p.61-70, jan.-jun.2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.