PERFIL DE AUTOMEDICAÇÃO ENTRE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM

Anny Carolinny Tigre Almeida Chaves, Leia Alexandre Alves, Mara Nubia Coelho Rocha, Mirela Newma Ribeiro de Souza, Vanessa Tigre Almeida Chaves, William Santos Silva

Resumo


A automedicação é considerada como um problema de saúde pública, pois equivale a 35% do consumo total de medicamentos, ocasionando em aproximadamente 20 mil mortes por ano. Esse índice independe de classe social. Esta prática é um fenômeno potencialmente prejudicial à saúde, pois a utilização inadequada de medicamentos pode causar inúmeras consequências como reações de hipersensibilidade, resistência bacteriana, dependência ao medicamento sem necessidade real, hemorragias digestivas, entre outros. este trabalho teve como objetivo analisar o perfil de automedicação entre estudantes de enfermagem. Trata-se de um estudo do tipo transversal descritivo, com aplicação de questionários aos estudantes de enfermagem de uma faculdade particular do interior da Bahia. foram aplicados 154 questionários, entre os meses de março e abril de 2016. O critério de inclusão utilizado foi a presença do acadêmico em sala de aula no momento da aplicação do questionário. Dentre os entrevistados, 81,80% afirmaram que as disciplinas estudadas no curso de enfermagem os deram embasamento teórico na realização da prática da automedicação e foi observada correlação muito forte entre o conhecimento adquirido no curso e a prática da automedicação. Os medicamentos comprados com maior frequência pelos estudantes entrevistados foram os analgésicos. Apesar da elevada prática de automedicação observada nesta pesquisa, detectou-se que a maioria dos entrevistados (70,12%) nos últimos 12 meses procurou atendimento médico através de uma consulta. Com o presente estudo foi possível caracterizar o perfil de automedicação entre estudantes de enfermagem de uma faculdade do interior da Bahia.

Palavras-chave


Automedicação. Riscos. Medicamentos

Texto completo:

11-18

Referências


Schuelter-trevisol F, Trevisol DJ, Jung GS, Jacobowski B. Automedicação em universitários. Rev Bras Clin Med. 2011; 9(6):414-7.

Masson W, Furtado PL, Lazarini CA, Conterno LO. Automedicação entre acadêmicos do curso de medicina da Faculdade de Medicina de Marília, São Paulo. Rev Bras Pesq Saúde. 2012; 14(4):82-9.

Silva JAC, Gomes AZ, Oliveira JPS, Sasaki YA, Maia BTB, Abreu BM. Prevalência de automedicação e os fatores associados entre os usuários de um Centro de Saúde Universitário. Rev Bras Clin Med. 2013; 11(1):27-30.

ABIFARMA. Automedicação e uso incorreto de medicamentos podem levar à morte [Internet]. 2011 [citado 2016 jun. 12]. Disponível em: .

Cella E, Almeida RB. Automedicação: enfoque pediátrico. Rev Saúde Públ Santa Cat. 2012; 5(1):72-86.

Silva LSF, Costa AMDD, Terra FS, Zanetti HHV, Costa RD, Costa MD. Automedicação em acadêmicos de cursos de graduação da área da saúde de uma universidade privada do Sul do estado de Minas Gerais. Odontol Clín Cient. 2011; 10(1):57-63.

Santello FH, Redigolo E, Toniello WMM, Monteiro SCM. Perfil da automedicação em idosos no Município de Barretos/São Paulo/Brasil. Infarma Ciências Farmacêuticas. 2013; 25(1):32-6.

Schmid B, Bernal R, Silva NN. Automedicação em adultos de baixa renda no município de São Paulo. Rev Saúde Pública. 2010; 44(6):1039-45.

Silva LAF, Rodrigues AMF. Automedicação entre estudantes de cursos da área de saúde. Rev Bras Farm. 2014; 95(3):961-75.

Lopes WFL, Coelho MROM, de Oliveira JP, Araújo YMO, Melo MCN, Tapety FI. A prática da automedicação entre estudantes de uma instituição de ensino superior de Teresina – Pi. R Interd. 2014; 7(1):17-24.

Tomasi E, Sant’Anna GC, Oppelt AM, Petrini RM,Pereira IV, Sassi BT. Condições de trabalho e automedicação em profissionais da rede básica de saúde da zona urbana de Pelotas, RS. Rev Bras Epidemiol. 2011;10(1):66-74.

Aragão J. Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Rev Praxis III. 2011; 3(6):59-62.

Souza LAF, Silva CD, Ferraz GC, Sousa FAEF, Pereira LV. The prevalence and Characterization of self-medication for obtaining pain relief among undergraduate nursing students. Rev Latino-Am. Enfermagem. 2011; 19(2):245-51.

Silva FM, Goulart FC, Lazarini CA. Caracterização da prática de automedicação e fatores associados entre universitários do curso de Enfermagem. Rev Eletr Enf. [Internet]. 2014 [citado 2016 jun 20]; 16(3):644-51. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v16/n3/pdf/v16n3a20.pdf

Jesus APGAS, Yoshida NCP, Freitas JGA . Prevalência da automedicação entre acadêmicos de farmácia, medicina, enfermagem e odontologia. Estudos. 2013; 40(2):151-64.

Santos B, Souza LG; Delgado, NM; Torres, WO. Incidência da automedicação em graduandos de Enfermagem. J Health Sci Inst. 2012; 30(2):156-60.

Tomasini AA, Ferraes AMB, Santos JS. Prevalência e fatores da automedicação entre estudantes universitários no Norte do Paraná. Biosaúde. 2015; 17(1):1-12.

Fonseca F, Dedivitis RA, Smokou A, Lascane E, Cavalheiro R, Ribeiro EF, et al. Frequência de automedicação entre acadêmicos de faculdade de medicina. Rev Diagn Tratamento. 2010; 15(2):53-7.

Fontanela FG, Galato D, Remor KVT. Perfil de automedicação em universitários dos cursos da área da saúde em uma instituição de ensino superior do sul do Brasil. Rev Bras Farm. 2013; 94(2):154-60.

Wanderley VE, Maia JA, Vilela RQB. A Prescrição Medicamentosa Ambulatorial no Internato: Formação e Prática. Rev Bras Educ Med. 2010;34(2):216-26.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.