A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÃO AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA METODOLOGIA

Rita Cássia Tagliaferre, Daiane Ferreira Ferraz

Resumo


Objetiva-se com este estudo fazer um levantamento de como os estudantes de graduação veem o ensino de Língua Portuguesa e, a partir dos resultados, apresentar algumas atitudes e práticas para o professor em sua atividade de ensino. Para detectar melhor as crenças e as dificuldades dos alunos foi aplicado um questionário ao início e ao final do período para os cursos de graduação em Engenharia Civil, Sistemas de Informação, Fisioterapia e Enfermagem. O questionário utilizado foi composto por dez perguntas objetivas, totalizando uma coleta, por amostragem, de 20 questionários por cada curso. Posteriormente, baseando-se no perfil dos alunos e nos resultados do levantamento realizado no início do semestre elaborou-se uma metodologia que se baseia na realidade situacional dos alunos onde, priorizou-se principalmente, a contextualização gramatical, a leitura e a interpretação de textos da área. Observou-se através do levantamento feito no início do semestre que uma parcela considerável dos discentes acha o português uma língua difícil. A pesquisa realizada no final do semestre demonstrou que os alunos interessaram mais pelas aulas, tendo como consequência, um melhor desempenho acadêmico na disciplina. Assim, fica evidente que adequar a metodologia utilizada ao perfil dos alunos é uma prática fundamental para garantir o interesse nas aulas e, desta forma, culminar no aprendizado efetivo e adequado.


Texto completo:

1-10

Referências


Bakhtin, M. Estética da criação verbal. 6ª. ed. WMF Martins Fontes. 512p, 2011 [1952/1953].

Bechara, E. Moderna gramática portuguesa. 37ª ed. Lucerna. 2001.

Chiappini, L. (org). Aprender e Ensinar com textos didáticos. vol 1. Cortez, 1997.

Costa Val , M. da G. Redação e Textualidade.3ª ed. Martins Fontes, 133p. 2004.

Fàvero, L. Coesão e coerência textuais.4ªed. Ática, v.1, 124p. 2003.

Geraldi, J. W. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação. Mercado de Letras, ALB, 1996.

Hymes, D. On Communicative Competence. In: PRIDE, J. B.; HOLMES, J. (Org.). Sociolinguistics. Hammondsport, Penquin. 203-224, 1972.

koch, I. G. V. Desvendando os Segredos do Texto. Cortez, 168p, 2002.

Koch, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 214p. 2007.

KOCH, I. V. ; ELIAS, V. M. Ler e escrever. Estratégias de produção textual. Contexto. 220p. 2009.

Likert, R. A Technique for the Measurement of Attitudes. Archives of Psychology. 22(140). 55p, 1932.

Luft, C. P. Língua e Liberdade: por uma nova concepção da língua materna e seu ensino. 7ª ed. L & PM. 1985.

Madeira, F. Crenças de professores de Português sobre o papel da gramática no ensino de Língua Portuguesa. Linguagem & Ensino, v. 8(2). 17-38, 2005.

Marcuschi, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. 1ª ed.Parábola. 2008.

Mattos, E. ; Silva, R. V. Sócio-história do português brasileiro para o ensino do português no Brasil hoje. In: Azeredo, J. C. de (org). Língua Portuguesa em debate: conhecimento e ensino.Vozes. 19 – 33. 2000.

Moraes, M.C. O Paradigma educacional emergente. 8ª ed. Papirus, 1997.

Moura-Neves, M. H. Gramática na escola.Contexto. 72p. 1994.

Perini, M. A. Para uma nova gramática do português. Ática. 96p. 1993..

Possenti, S. Por que (não) Ensinar Gramática na Escola. Mercado das Letras. 95p. 1996.

Travaglia, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. Cortez, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.