MAPA CONCEITUAL COMO METODOLOGIA ATIVA NA APRENDIZAGEM INTERDISCIPLINAR DA IMUNOLOGIA

Isis Fernandes Magalhães-Santos

Resumo


Esse trabalho teve como objetivo a utilização da metodologia ativa em forma de Mapa Conceitual como estratégia pedagógica para a construção de conceitos da disciplina Imunologia nos Cursos de Farmácia e Enfermagem de uma Instituição de Ensino Superior de Salvador. Para execução dessa pesquisa foi elaborado um plano de ensino para orientar os acadêmicos nas apresentações de artigos científicos em forma de mapa conceitual, referindo a conteúdos anteriormente ministrados pelo professor. Ao final do semestre foi realizado uma atividade interdisciplinar cujo objetivo foi encorajar o estudante para a prática profissional no contexto da imunologia. Os resultados mostraram que na conclusão do semestre o aprendizado da disciplina foi bastante positivo com percentual de aprovação variando entre 80,8% (Enfermagem) a 96,8% (Farmácia) e o índice de aceitação da nova metodologia foi considerado ótimo para ambos os cursos 93,4% (Farmácia) e 96,6% (Enfermagem). Portanto, conclui-se que a utilização de mapa conceitual como recurso didático para o ensino da imunologia contribuiu como ferramenta pedagógica no aprendizado e boa utilização da disciplina, promovendo a possibilidade de agregar outras disciplinas do ciclo básico do curso no contexto interdisciplinar e da prática profissional.


Palavras-chave


Mapa Conceitual; Imunologia; Metodologia Ativa

Texto completo:

68-89

Referências


ANASTASIOU, L.G.C.; ALVES, L. P. 2004. Processo de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville, SC: Universille.

ASSIS, H.M. 2009. Metodologia do Ensino Superior. Pós Graduação em Docência do Ensino Superior. Pós Flex FTC EAD. 2ª. Edição, Módulo 4. p.5-45.

CUNHA, M.I. 2001. Temas e textos em metodologia do ensino superior. In: CASTANHO, S.; CASTANHO, M.E. (ORG) Inovações, conceitos e práticas. São Paulo: Papirus Editora. p. 125-136.

ECKSTEIN, B. 1982. O ensino superior; uma introdução prática. São Paulo, EPU, p.127.

FERREIRA, M.P.M. 2009. O professor do ensino superior na era da globalização. Revista Iberoamericana de Educación / Revista Ibero-americana de Educação. p.50-55.

FREITAS FILHO, J.R. 2007. Mapas conceituais: estratégia pedagógica para construção de conceitos na disciplina química orgânica. Ciências & Cognição; 2007 v.12, p. 86-95, disponível em

GERHARDT, A.F.L.M. 2010. Integração conceptual, formação de conceitos e aprendizado. Revista Brasileira de Educação. v.15, n.44, p. 247-263.

GOMES, A.M.A.; ALBUQUERQUE, C.M.; CATRIB, A.M.F.; SILVA, R.M.; NATIONS, M.K.; ALBUQUERQUE, M.F. 2006. Os saberes e o fazer pedagógico: uma integração entre teoria e prática. Educar, Curitiba, Ed. UFPR. n. 28, p. 231-246.

KUENZER, A. Z. 2006. A Educação Profissional nos anos 2000: A Dimensão Subordinada das Políticas de Inclusão. Cad. CEDES. v. 27, n. 96, p. 877-910.

LIBÂNEO, J.C. 1994. Didática, (Coleção magistério. 2º grau. Série formação do Professor) São Paulo: Cortez.

LUCKESI, C.C. 2005. Avaliação da aprendizagem na escola. 2ª Edição, Ed. Malabares, Salvador-Ba, Cap. 3. p. 59-86.

MOREIRA, M.A. 1980. Mapas conceituais como instrumentos para promover a diferenciação conceitua1 progressiva e a reconciliação integrativa. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 32, n. 4, p. 474-79.

MOREIRA, M.A. 1986. Mapas Conceituais. Caderno Catarinense de Ensino de Física, Florianópolis. v. 3, p. 17-25.

NONATO M.E. 2007. Reflexões e práticas em pedagogia universitária. In: CUNHA (ORG), M.I. Inovações na formação de docentes universitários – a experiência das ciências veterinárias. São Paulo, Papirus Editora. Cap 8, p.125-144.

NOVAK, J.D. 2007. The Theory Underlying Concept Maps and How to Construct Them. Disponível: http://www.vcu.edu/cte/workshops/teaching_learning/2008_resources/TheoryUnderlyingConceptMaps.pdf. Acesso em 20 jun. 2012.

NUÑEZ, I. B.; RAMALHO, B. L.; UEHARA, F. M. G. 2009. As Teorias Implícitas sobre a aprendizagem de professores que ensinam Ciências Naturais e futuros professores em formação: a formação faz diferença? Ciências e Cognição/Science and Cognition, v. 14, n. 3, p. 39-61.

PIMENTA, S.G.; ANASTASIOU, L.G.C. 2005. Docência no Ensino Superior. São Paulo. Ed. Cortez, 2ª Edição Parte 3 Cap 1. p.249-279.

REICHE, E.M.V. 1985. Módulos Institucionais: Uma experiência no ensino de imunologia clínica. Semina. v.6, n.3. p.112-117,.

ROLDÃO, M.C. 2007. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação. v.12, n.34, p. 94-102.

RUIZ-MORENO, L.; SONZOGNO, M.C.; BATISTA, S.H.S.; BATISTA, N.A. 2007. Mapa Conceitual: ensaiando critérios de análise. Ciência & Educação, 2007. v. 13, n. 3, p. 453-463.

TAVARES, R. 2007. Construindo Mapas Conceituais. Ciências & Cognição; 2007. v.12, p.72-85,.

THIESEN, J.S. 2008. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino aprendizagem. Revista Brasileira de Educação. v.13, n.39, p. 545-554.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.