IMPACTO DA POLUIÇÃO GERADA PELA PRODUÇÃO/UTILIZAÇÃO DOS BIOCOMBUSTÍVEIS NA FUNÇÃO PULMONAR DE TRABALHADORES DO SETOR

Jorge Luis Motta Dos Anjos, Yuri de Araújo Tapparelli, Maria Carolina de Britto Aandrade, Marcos Lázaro Guerreiro

Resumo


Em razão do aumento excessivo do preço do petróleo e da discussão mundial sobre a diminuição das emissões de CO2 e consequente diminuição do efeito estufa pelo uso de energias renováveis, os biocombustíveis passaram a ser uma das opções para o setor de transportes. O trabalho teve como objetivo avaliar os efeitos da poluição advinda da produção e utilização dos biocombustíveis na função respiratória dos trabalhadores do setor. Foram avaliados 55 indivíduos, sendo 45 trabalhadores de postos de biocombustíveis e combustíveis da cidade de Salvador-BA e grupo controle com 10 voluntários sem envolvimento na cadeia produtiva dos biocombustíveis. Aplicou-se um questionário de avaliação respiratório e obteve-se valores de CVF, VEF1, VEF1/CVF pela espirometria. Sintomas relacionados à poluição atmosférica não obteve diferenças estatisticamente significantes e na espirometria, a única variável que apresentou significância estatística, comparando os grupos, foi VEF1/CVF (p=0,04), porém os resultados mantiveram-se dentro dos valores de normalidade. Relacionando os valores da espirometria com tempo de atividade nos trabalhadores de postos de biocombustíveis e combustíveis, não foram observadas diferenças estatisticamente significativas. A exposição de trabalhadores de postos de combustíveis e biocombustíveis a inalações periódicas de vapores provenientes desses, não trazem repercussões na função pulmonar desses trabalhadores com até cinco anos de exposição, porém, de acordo com a literatura, a exposição ao MP proveniente da queima da cana-de-açúcar produz alterações na função pulmonar e sintomas respiratórios dos trabalhadores dessa etapa do processo de produção.


Palavras-chave


Biobustiveis; Poluição Atmosférica; Função Respiratória

Texto completo:

31-41

Referências


ALVES, F. 2006. Por que morrem os cortadores de cana?. Saúde e Sociedade, v. 15, p. 90-98.

BHIDE, A.; et al.2014. Pulmonary function tests in petrol pump workers in Chittoor District. Int JPhysiother Res, v. 2, p. 354-358.

CASTRO, H A; RIBEIRO, PC. 2017. Estudo sobre o impacto das queimadas no setor de cana-de-açúcar na saúde respiratória de escolares/alunos do município de Campos dos Goytacazes, no Estado do Rio de Janeiro. Connection Line, n. 16.

CESAR, ACG; NASCIMENTO, LFC.; CARVALHO JR, JA de. 2013. Associação entre exposição ao material particulado e internações por doenças respiratórias em crianças. Revista de Saúde Pública, v. 47, p. 1209-1212.

COSTA, CC da; BURNQUIST, HL. 2016. Impactos do controle do preço da gasolina sobre o etanol biocombustível no Brasil. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 46, n. 4, p. 1003-1028.

DE ARAÚJO, FM; MIZIARA, F. 2014. Análise da ocorrência das morbidades respiratórias e sua relação com a incidência de áreas queimadas para o estado de Goiás. Boletim Goiano de Geografia, v. 34, n. 1, p. 111-131.

BOSSO, RMV.; et al. 2006. Effects of genetic polymorphisms CYP1A1, GSTM1, GSTT1 and GSTP1 on urinary 1-hydroxypyrene levels in sugarcane workers. Science of the total environment, v. 370, n. 2-3, p. 382-390.

GILIO, L; CASTRO, NR. 2017. Avaliação de aspectos limitantes ao crescimento do etanol e o setor sucroenergético no Brasil. Revista Eletrônica de Energia, v. 6, n. 1.

KOHLHEPP, G. 2010. Análise da situação da produção de etanol e biodiesel no Brasil. Estudos avançados. v. 24, n. 68, p. 223-253.

LEITE, MR.; et al. 2018. O trabalho no corte de cana-de-açúcar, riscos e efeitos na saúde: revisão da literatura. Revista de Saúde Pública.

MINAYO-GOMEZ, C. 2011. Production of knowledge and an inter-sectoral approach vis-à-vis living and health conditions of workers in the sugarcane sector. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 8, p. 3361-3368.

MOREIRA, MAC.; et al. 2008. Estudo comparativo de sintomas respiratórios e função pulmonar em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica relacionada à exposição à fumaça de lenha e de tabaco. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 34, n. 9, p. 661-666.

PISSINATO, B. A cultura de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo entre 1950 e 2010: evolução histórica da área e da produtividade. 2013. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

RIBEIRO, H. 2008. Queimadas de cana-de-açúcar no Brasil: efeitos à saúde respiratória. Revista de Saúde Pública, v. 42, p. 370-376.

RIBEIRO, H; PESQUERO, C. 2010. Queimadas de cana-de-açúcar: avaliação de efeitos na qualidade do ar e na saúde respiratória de crianças. Estudos Avançados, v. 24, n. 68, p. 255-271.

RIVA, DR; et al.2011. Low dose of fine particulate matter (PM2. 5) can induce acute oxidative stress, inflammation and pulmonary impairment in healthy mice. Inhalation Toxicology, v. 23, n. 5, p. 257-267.

SILVA, AMC.; et al. 2010. Particulate matter (PM2. 5) of biomass burning emissions and respiratory diseases in the south of the Brazilian Amazon. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 13, n. 2, p. 337-351.

TREVISAN, IB. 2016. Sintomas nasais, parâmetros hemodinâmicos e perfil inflamatório nasal e sistêmico de cortadores de cana-de-açúcar expostos à queima de biomassa.

VELLA, J.; BORG, M. 2015. Spirometry in Fuel Station Attendants: a Comparative Study. Malta Medical Journal, v. 27, n. 02.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.