O PAPEL DO ENFERMEIRO FRENTE À PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL DA SÍFILIS

Ítalo Rosário Freitas, Jimi Medeiros

Resumo


A transmissão vertical da sífilis é um problema de saúde pública que no Brasil tem elevada incidência, a partir disto, busca-se realizar com este trabalho um levantamento de revisão bibliográfica, a fim de contextualizar o tema e mostrar o papel do enfermeiro no elo de prevenção para evitar esse desfeche tão indesejável à saúde do bebê. A questão norteadora deste trabalho está pautada em investigar o papel do enfermeiro frente a prevenção da sífilis vertical. No âmbito metodológico foi utilizado o referencial bibliográfico a partir de leitura exploratória, analisando artigos científicos e com apoio na literatura pertinente. Estima-se que no Brasil ocorram aproximadamente 12 mil casos ao ano de sífilis congênita, mas são notificados ao Ministério da Saúde apenas cerca de 5 mil. Os resultados encontrados perpassam pela atuação do enfermeiro como peça principal na detecção, estadiamento e prevenção desta complicação patológica e mostra também como dificuldade aderência ao tratamento por parte dos parceiros, o que gera reinfecções.


Palavras-chave


Sífilis; transmissão vertical; prevenção

Texto completo:

1-13

Referências


BRASIL. 2006. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e Sífilis. Brasília: DF.

BRASIL. 2018. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico de Sífilis. v. 49, n 45, Brasília: DF. 48p.

BRASIL.2016. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais. Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis. Brasília: DF. 52 p.

BRASIL. 2014. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo de Investigação de Transmissão Vertical. 84p.

BRASIL. 2015. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis. Brasília: DF. 120p.

UNFPA (Fundo de Populações das Nações Unidas). Como prevenir a transmissão vertical do HIV e da Sífilis no seu município. Brasília – DF. Brasil. 36p

KUPEK, E; OLIVEIRA, J. F. de. 2012. Transmissão vertical do HIV, da sífilis e da hepatite B no município de maior incidência de AIDS no Brasil: um estudo populacional no período de 2002 a 2007. Rev. bras. epidemiol.[online]. vol.15, n.3, pp. 478-487. ISSN 1415-790X. Disponível em: . Acesso: ago. 2015

De LORENZI, D. R. S; FIAMINGHI, L. C; ARTICO, G. R. 2009. Transmissão vertical da sífilis: prevenção, diagnóstico e tratamento. Femina, 37(2): pp. 83-90.

MARINHO. M. N. A. S. B; BARRETO, J. A. P. S. 2014. Sífilis na gestação: a atuação de enfermeiro (a)s da estratégia saúde da família. Disponível em < http://www.abeneventos.com.br/anais_senpe/17senpe/pdf/1743co.pdf> Acesso em: fev. 2016

MESQUITA, K. 2012. Análise dos Casos de sífilis congênita em Sobral, Ceará: Contribuições para assistência pré-natal. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 24, n. 1, p. 20–27.

PRODANOV, C. C; FREITAS, E. C. 2013. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico] métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale. 276p

SANTOS, C. V., ANJOS, K. F. 2009. SÍFILIS: uma realidade prevenível. Sua erradicação, um desafio atual. Revista Saúde e Pesquisa, v. 2, n. 2, p. 257-263.

TAVARES. 2014. Os cuidados de enfermagem relacionados à sífilis congênita. 2014. Disponível em: Acesso: jan. 2015


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.