CONTRIBUTO DO ESTÁGIO DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS MARCADAS POR APRENDIZAGENS

Luciana Sirqueira Viana, Charlyan de Sousa Lima

Resumo


O estágio docente pode ser compreendido como um conjunto de atividades que os acadêmicos deverão realizar durante o curso, como parte prática, contrapondo-se às demais disciplinas, consideradas teóricas. Durante o estágio é possível que o acadêmico reveja sua formação, reconheça que aspectos devem aprimorar para sua prática profissional. Nesse contexto, este trabalho objetivou relatar e refletir experiências desenvolvidas nas atividades do Estágio Supervisionado no ensino de Biologia, com os alunos do primeiro ano do Ensino Médio. No que se tange aos aspectos metodológicos, foi realizada buscas nas literaturas disponíveis que tratam da formação de licenciandos, com enfoque em questões relacionadas ao estágio docência. Em sequência, apresentou-se um relato das experiências de ensino, a partir do estágio docência realizado na disciplina de Biologia em uma turma d do ensino médio, que consistiu em duas fases: observação e regência. As metodologias utilizadas durante a regência foram aulas expositivas dialogadas com uso de vídeos, jogos lúdicos e diferenciados com o intuito de despertar e motivar conhecimento. Durante o estágio foi possível identificar as dificuldades dos alunos no processo de ensino-aprendizagem. Observou-se o quanto a experiência de ensino foi valorosa, para desenvolver métodos e técnicas que atendam às necessidades específicas dos alunos. Fazer uso de diferentes metodologias foi relevante, pois proporcionaram aulas diferenciadas. Conclui-se que, a experiência de ensino é um momento oportuno e significativo na formação do futuro docente, marcada por novas experiências e descobertas, onde se pode reviver e reconstruir conhecimentos adquiridos ao longo da formação acadêmica.


Palavras-chave


Escola. Professor. Vivência.

Texto completo:

100-108

Referências


BARBOSA, A. M.; AMARAL, T. 2009. A contribuição do estágio supervisionado na formação do pedagogo. In: IX CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE & III ENCONTRO SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA, 9., 2009, Curitiba. Anais. Curitiba: PUCPR. p. 1-14.

BORSSOI, B. L.2008. O estágio na formação docente: da teoria a prática, ação-reflexão. In: 1º SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO/XX SEMANA DA PEDAGOGIA, 1., 2008, Cascavel. Anais... Cascavel: UNIOESTE. p. 1-11.

CAMPOS, M. L. 2003. Estágio supervisionado e formação de profissionais da educação do curso de pedagogia do CFP/UFCG. 72f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Campina Grande, João Pessoa-PB.

CHAGAS, A. F. S.; ANIC, C. C.; ANDRADE, E. S.; BATISTA, M. F. F. 2012. Ensinar cadeia trófica através do jogo didático: montando a cadeia alimentar. “Uma proposta lúdica para o ensino da cadeia trófica”. In: CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO - CONNEPI. 7., 2012, Palmas. Anais.Palmas.

FELDKERCHER, N. 2010. O estágio curricular supervisionado como componente teórico e prático em cursos de formação inicial de professores. Revista Espaço Acadêmico, n. 115, p. 110-116.

FILHO, A. P. O. 2010. Estágio Supervisionado e sua importância na formação docente. Revista P@rtes. Disponível em: Acesso em 10 de jul. de 2017.

FREIRE, P. 1996. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários á prática educativa. 25ª ed., São Paulo: Paz & Terra, Coleção Leitura. 165 p.

GOMES, L. R.; ROCHA, D. P.; OLIVEIRA, A. B. C. 2014. Proposta de Jogo Didático: “Caminhos da ecologia”. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio), n. 1, v. 7. 8 p.

KISHIMOTO, T. M. 2000. Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. 4ª ed. São Paulo: Cortez Editora. 208 p.

KRASILCHIK, M. 1996. Prática de ensino de biologia. São Paulo: Harbra. 197 p.

LEITE, Y. U. F.; GHEDIN, E.; ALMEIDA, M. I. 2008. Formação de professores: caminhos e descaminhos da prática. Brasília: Líber Livro Editora. 140 p.

MORAN, J. M. et al.2000. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed. Campinas: Papirus Editora. 176 p.

OLIVEIRA, E. S. G.; CUNHA, V. L. 2006. O estágio Supervisionado na formação continuada docente à distância: desafios a vencer e Construção de novas subjetividades. Revista de Educación a Distância. ano 5, n. 14.

OLIVEIRA, M. L.; SANTOS, M. C. P. 2013. Reflexões discentes sobre o estágio curricular supervisionado no curso de licenciatura em ciências biológicas. Revista Metáfora Educacional, n. 14, p. 50-68.

PIMENTA, S. G. 2001. O estágio na formação de professores: unidade, teoria e prática? 4ª ed. São Paulo: Cortez. 199 p.

SILVA, R. F.; CORREA, E. S. 2014. Novas tecnologias e educação: a evolução do processo de ensino e aprendizagem na sociedade contemporânea. Educação & Linguagem, n. 1. p. 23‐35.

TARDIF, M.; LESSARD, C. 2005. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes. 317 p.

TAROUCO, L. M. R. et al. 2004. Jogos Educacionais. RENOTE – Novas Tecnologias na Educação, v. 2, n. 1.

TEIXEIRA, B. R.; CYRINO, M. C. de C. T. 2013. Estágio supervisionado em cursos de licenciatura em Matemática: um panorama de pesquisas brasileiras. Educ. Matem. Pesq., v.15, n.1, p.29-49, 2013.

VIEIRA, V.; BIANCONI, M. L.; DIAS, M. 2005. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Cultura, v. 57, n. 4.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Faculdade de Tecnologia e Ciências, FTC.